Liveurs – Underground Reality Show


Poesia – Minha Maneira
03/09/2011, 05:18
Filed under: poesia4 | Tags:

Qual é a graça que existem em teus olhos
que desperta na alma os risos incontidos
velejo com calma sobre um rio de sonhos
ajusto as velas para os ventos do destino
Loucura é o estado confuso de sentir amor
aceitar entregue aos desejos mais íntimos
viver sem pensar e se entregar a quem for
pra encontrar a verdade que Deus nos deixou
Teorias de palavras e experiência de vidas
coisas que passaram e ficaram esquecidas
pedir pra lembrar o que não dá pra esquecer
mas tudo acontece como tem que acontecer
Formas se constroem em traços perfeitos
uns nascem prontos outros se fazem no tempo
lutas diárias contra monstros imaginários
tentam me mudar porque Deus me fez de barro
Saiba apenas que sou feliz a minha maneira
preciso da solidão pra ouvir o meu coração
estou entre eles, mas não faço parte do mundo.
apenas entrego recados pra trazer conforto

“Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios.”
Salmos 90 : 12

Anúncios


Poesia – Às vezes chora
19/08/2011, 06:13
Filed under: poesia4 | Tags:

A realidade que aos olhos parece mentira
conter na retina as lembranças do oceano
se misturar no mundo pra não ficar sozinha
e se consome no amargo dos mesmos enganos
Faz da esperança a vontade de ir em frente
e às vezes chora quando ninguém pode ver
simplesmente para a dor parecer diferente
na espera que um milagre possa acontecer
Desligou sol da tomada, pois queria dormir.
sacudiu dos cabelos as ilusões dos sonhos
deitou a cabeça apertando o travesseiro
rezou pedindo para Deus trazer o seu sono
Quebra cabeça distorcido é o seu coração
desconta em quem mais ama a sua frustração
sensível pele que tenta sentir o carinho
que nasce do desejo de tocar as emoções
A paixão é como vento que sente e passa
traz o medo do passado e a desconfiança
feito criança presa na própria imaginação
criando monstros pra acompanhar a solidão

“Bet. Ela chora pela noite adentro, lágrimas lhe inundam as faces, ninguém mais a consola de quantos a amavam. Seus amigos todos a traíram, e se tornaram seus inimigos. “
Lamentações 1:2



Poesia – Sua presença
28/06/2011, 16:42
Filed under: poesia4 | Tags:

Quero navegar sobre o seu rio de amor
andar nas aguas em seu caminho de vida
somente pra provar que contigo estou
e que sua palavra pra mim é tão querida
Seu espirito me envolve exalando perfume
graças em louvor rendo ao teu santo nome
apaixonado em seus braços contigo eu vou
subir ao ceu e viver no seu reino de amor
Por isso pai me ensina como te amar mais
não quero ver os meus olhos de ti desviar
fica comigo e no meu intimo venha habitar
profundo são seus sonhos eu quero te amar
Tira as vendas e as amarras do meu coração
sou humano demais e preciso da sua atenção
não desista pois meu nome está em suas mãos
me ajuda pai a vencer o mundo e a solidão
Sei que você não se esquece nunca de mim
sinto prazer quando estou em sua presença
tudo é tão lindo que seu amor me satisfaz
despertando na alma vontade,alegria e paz


“Fizeste-me conhecer os caminhos da vida, e me encherás de alegria com a visão de tua face.”
Salmos 15,8-11



Poesia – Aba Pai
02/05/2011, 02:58
Filed under: poesia4

Senhor diga o que queres de mim
porque chama tanto pelo meu nome
sei que só tenho erros para oferecer
pecados que cometi contra os homens
Pai como vê luz no que parece morto
e mesmo sem merecer me dá conforto
porque não esquece como eu te esqueci
quando disse pra falar a verdade eu menti
Lamento Deus mais acho não sou digno
dessa vida eterna ou de viver no paraíso
pois sou orgulhoso demais pra pedir perdão
por diversas vezes tive ódio do meu irmão
Eu poderia ter sido o melhor e não fui
quantas vezes crucifiquei de novo Jesus
onde deveria semear o bem fui a discórdia
por muitas vezes levei trevas lá em casa
Mesmo assim declara que tanto me ama
que tudo que quer de mim é me ver feliz
como não irei pronunciar aba pai pra ti
sendo que tudo me dá sem nada me pedir

“Aba! {Pai!}, suplicava ele. Tudo te é possível; afasta de mim este cálice! Contudo, não se faça o que eu quero, senão o que tu queres. ”
Marcos 14:36



Poesia – Cheiro de Chuva
27/04/2011, 04:34
Filed under: poesia4

As vezes o vento bate feito tormenta
levanta do chão todas as folhas secas
traz movimento a aquilo que já morreu
um cata-vento girando e ninguém percebeu
Quem pode resistir ao outono da solidão
crescer segundos antes do inverno chegar
correr atrás do tempo pra pegar os minutos
tentar reviver as coisas que não voltam mais
Como fugir dos fantasma que nos assombram
enterrar todos os medos em uma grande cova
pra ficar sentado esperando uma flor nascer
energia armazenada que aguarda a hora de viver
Quem sabe povoar castelos feitos de areia
explicar porque Deus é loucura para o mundo
entender como o amor vai de um corpo pro outro
degustar com saliva as estranhas do submundo
Quem explica de onde vem o cheiro de chuva
o que sol faz quando as nuvens estão turvas
porque pra um ganhar o outro tem que perder
seria tão bom se todo mundo pudesse vencer

 

“antes que se escureçam o sol, a luz, a lua a as estrelas, e que à chuva sucedam as nuvens; “
Eclesiastes 12:2



Poesia – Marcas de Desejos
22/04/2011, 17:25
Filed under: poesia4

Como dispara essas flechas dos teus olhos
porque perfura minha carne atrás do sangue
deixando escorrer dos buracos toda a vaidade
lembranças de que nada mais será como antes
Como se atreve deixar marcas nos meus lábios
ainda roçar a sua pele para avermelhar a minha
depois cravar suas unhas como garras afiadas
me estremece de arrepios e consome minha vida
Porque me abandona com um sorriso no rosto
retirando da minha carência todo o meu gozo
sufocando-me entre tantos beijos e abraços
surrando o meu ego pra admirar o meu corpo
Que fazes na escuridão sussurrar o meu nome
despejar em mim um sono impedindo de me mexer
e que armadilha existe no mundo dos sonhos
pra que lá me conduza querendo me prender
Como um rebelde sem causa esfola o meu coro
rasgas as minhas vestes e rouba meus tesouros
tudo pra se sentir dona do que ainda é meu
dores feitas de prazer no elo do que aconteceu
Armada sobre os meus desejos não tem piedade
utilizando das forças das amarras da verdade
Esfola o que resta de medo extraindo esperança
e trava uma luta de palavras sobre a confiança

“Deixo os meus haveres para os que me amam e acumulo seus tesouros. “
Provérbios 8:21



Poesia – Melhor que eu
14/04/2011, 02:43
Filed under: poesia4

Apenas me acolhe e não faça perguntas
preciso ouvir que tudo vai ficar bem
você é muito importante não me deixa
sei que errei mas você errou também
A vida aperta eu desconto sem querer
derramo toda minha frustração sobre você
que vergonha sinto por te fazer sofrer
e engole os meus problemas sem merecer
Percebo ainda que apaguei o seu sorriso
tudo que falamos é em tom de discutindo
tantas feridas e como viver sem reclamar
na pressa do dia deixamos o amor pra trás
Apenas me abraça e não solta nunca mais
e cala minha boca pra mim não te magoar
eu não sei como demonstrar o meu afeto
sempre deixo falar mais alto meus medos
Covarde não te amo o tanto que deveria
deixando morrer de sede a sua alegria
sei que pode ter alguém melhor que eu
mas fica um pouco mais pelo amor de Deus

“Melhor é a repreensão franca do que o amor encoberto. “
Provérbios 27:5