Liveurs – Underground Reality Show


Texto – Ainda
25/04/2012, 02:42
Filed under: Uncategorized

Debruçava sobre o gosto insólito das coisas sem explicação, do prazer sacana que se alicia em meio à perversidade daquilo que se incrusta no pensamento por parecer bizarro, feito esperança mórbida de algo eloqüente que não passa mesmo quando a circunstância do momento transforma tudo e nos surpreende.

Em cada erro existe uma lição, mas temos memória fraca esquecemos facilmente aquilo que aprendemos e somente depois que chega o aroma da dor recordamos a duplicidade daquilo que já aconteceu, ressuscitando um ar de idiota que deixa coração o triste e o semblante abatido. Usar de desculpas para o errado parecer certo é a tentativa mais frustrada de mentir pra si mesmo.

O tempo costura a ferida, a bebida faz o papel de engraxante social e o amor ilude a alma de quem muito sonha colocando grades onde antes existia liberdade, a água ainda está limpa isso é sinal que o futuro ainda não chegou, nem todos os animais entraram em extinção isso significa que ainda dá tempo de se fazer alguma coisa, mas quem poderá determinar o que o amanhã reserva para nós?

Em cada dia uma nova chance de encher os lábios de veneno, de criar coragem pra superar o tempo que estamos perdendo, de lutar para vencer a dor através da verdade e de suportar a culpa pelo nosso medo e falta de sinceridade. Não temos escolhas é cortar os pulsos ou seguir em frente, as lagrimas secaram em nosso rosto e nosso coração  ainda está batendo creio que isso é um bom sinal.

O mundo não teve piedade do filho de Deus, porque teria de você? Me de uma razão pra não atirar primeiro, o navio de cristal partiu fazem mais de cem anos e hoje descansa nas mentes alucinadas daqueles que buscam satisfação nas historias daquilo que outros viveram. Eu gostaria de ter ganhado um abraço quando acordei, mas todas as portas estavam fechadas. O mundo consegue ser insano quando mendigamos amor de seres humanos.

”Ainda que caiam mil ao teu lado, E dez mil à tua destra, Ela não se chegará a ti.” Salmos 91:7



Poesia – Seus Olhos
03/04/2012, 05:13
Filed under: Uncategorized | Tags:

Preciso ver os seus olhos radiantes
pra ter a certeza que não foi em vão
cada momento que passamos separados
cada briga que acabou em discussão
Mas quando te olho e você está sorrindo
nasce no meu coração o mais puro perdão
me dá vontade de ficar pra sempre contigo
pois me sinto triste quando não seguro sua mão
Hoje pra se amar é preciso ter coragem
engraçado que com você não sinto medo
tudo que você faz é tão fácil de gostar
que me perco na intensidade dos meus desejos
Em cada pequeno detalhe tudo fica perfeito
é amor demais que transborda dentro do peito
você me paralisa e passa como suave brisa
quando me abraça sinto um frio na barriga
Fecho os olhos para provar dos seus beijos
ternura tão forte que consegue parar o tempo
Deus como eu te agradeço por cada momento
que me permiti tocar meu amor com os dedos


“Desvia de mim os teus olhos, porque eles me fascinam. Teus cabelos são como um rebanho de cabras descendo impetuosamente pelas encostas de Galaad.” Cânticos 6:5