Liveurs – Underground Reality Show


Poesia – Menos Complicado
31/01/2008, 20:23
Filed under: poesia7

Nessa parte eu me despeço
sem canção ou grandes versos
Agora sem mais nenhum motivo
eu enterro tudo que se passou
E nesse inerte vazio carrego
um bom lugar para ser feliz
Eu não preciso de mentiras
para poder ser quem eu sou
Minhas roupas não tem marca
nem minha alma está a venda
Mesmo que o pior eu seja
da forma que tenta me pintar
Para alguém vou servir
e de abrigo poder me refugiar
Tranqüilo fico nesse instante
ao qual não segue meus passos
Pois assim sei que viver será
algo bem menos complicado.

26012008410

 



Poesia – Hoje a Noite
31/01/2008, 17:52
Filed under: poesia7
Hoje a noite vou sair
recitar poesias para a lua
Aproveitar cada momento
cada esquina dessas ruas
Posso andar pela cidade
me divertir em uma boate
Conhecer novas pessoas
sorrir sem parecer maldade
Nem se quer em pensamento
uma lembrança eu quero ter
Quero conhecer meu futuro
maravilhas que vão acontecer
Não preciso de um drink
para ser feliz nessa vida
Faço misterios com palavras
para um novo mundo se fazer
E a liberdade possa ventar
até quando o dia amanhecer
 
DSC00789


Poesia – Outras Bocas
30/01/2008, 03:32
Filed under: poesia7
Doce engano do destino
paralelos que nunca se cruzam
Olhos procuram um rumo
em um universo que se inflama
Consome cada instante vazio
com sonetos de mal dizer
Esperança passa despercebida
estranhos custam a entender
Na morte não mais finda vida
Eterna chama de pensamentos
Sua obra nunca mais esquecida
No coração sempre vai viver
Salgadas deslizam pelo rosto
conflito eterno de se querer
Passado a pouco tempo vivido
presente nada pode se fazer
Aceita seus passos desconhecido
basta de lamentos aborrecer
Ergue a cabeça mesmo faminto
sem temer o que o mundo vai dizer

27012008423

 


Poesia – Circo
17/01/2008, 02:28
Filed under: poesia7
Nunca mais disse que me ama
nem se quer ouviu nossa canção
O telefone toca insistente
chama, chama e cai a ligação
Faz tempo que não a vejo
sinto saudade de te olhar
coração feito bala perdida
procura seu corpo acertar
Pessoa o que aconteceu
porque os dias passam devagar
Você pediu todo o meu amor
eu queria poder entregar
E se faço de picadeiro o tempo
sentado com cara de palhaço
Humilde espetáculo que vivo
pelo palco caminho descalço
No rosto rabisco um sorriso
tentando mascarar a minha dor
Nos olhos um estranho brilho
quando na multidão não vejo meu amor

 


Poesia – Regresso
15/01/2008, 17:09
Filed under: poesia7

Se pudesse voltar no tempo
acordar num sonho bom
Dessa vez eu sentiria
muito mais alegrias
Me libertaria da dor
de toda essa pressão
Não iria acreditar
que acabou a salvação
Quem sabe na igreja
o perdão encontraria
Mais gente eu deixaria
chegar perto de mim
Mas do meu amor
isso eu não desistira
Mesmo que dure anos
que me custe outra vida
Que tenha que procurar
de noite e de dia
Pois ela é a alma
desse pobre coração
Por anos esperou chegar
a sua nobre salvação.

 



Composição- 5 Carnavais
11/01/2008, 06:27
Filed under: Sem categoria | Tags:

Deixo tanta coisa para trás
Vou me aventurar
pelo retrovisor
Depois de cinco carnavais
ainda somos estranhos
sofrendo de amor

 
Eu bem me lembro de você
Do teu olhar não consigo esquecer
nem do samba enredo que cantei
até o sol aparecer
 
Eu piso fundo rumo ao fim do mundo
na velocidade da batida
 
Você passou perto de mim
quase me atropelou distraida
Eu não sei dizer
se é por você
que eu escrevo mil canções sem rimas
Eu não sei dizer
se é por querer
que eu entro e saio da avenida
Eu Me perco em coisas tão banais
no fim das contas queremos ser normais
Eu desfaço os meus planos
mastigo minhas unhas
esqueço dos meus sonhos
só para dizer que a culpa foi sua
 
Só pra dizer
Que é por você
que eu escrevo mil canções sem rimas
Eu piso fundo rumo ao fim do mundo
na velocidade da batida
Eu só queria um tempo para nós
eu me cego em teus faróis
Tuas estrelas em meu asfalto
refletem sorrisos tristes
(e você ainda insiste)
Em me dizer
que eu perco o sono
só por você,desconhecida
 
Em me dizer
que eu rodo o mundo
para acabar na sua vida.
 
Composição: Gabriel e Wagner Love


Composição – No Breu
09/01/2008, 04:44
Filed under: Sem categoria | Tags:

Composição – No Breu

Controlando as palavras
fingindo que não me importo
Aceitando o impossível
para ver se me encontro
Aqui estou outra vez
andando onde me perdi
A mesma escuridão
sempre é noite por aqui

Está dificil me encontrar
Cada passo é incerto
sinto medo a todo instante
O Meu erro esta tão perto
e tão difícil de encontrar
Cada passo é incerto
sinto medo a todo instante
e o Meu erro esta tão perto

Apenas posso ouvir
o contrário do que sinto
está difícil distinguir
os caprichos do coração
Estou perdido e não nego
mas ainda eu espero
Que o tempo possa acertar
tudo aquilo que se perdeu

e é dificil de encontrar
Cada passo é incerto
sinto medo a todo instante
O Meu erro esta tão perto
e tão difícil de encontrar
Cada passo é incerto
Para que o sol venha revelar
a vida que se escondeu.
a vida que se escondeu.
a vida que se escondeu.

Letra: Gabriel Binato
Adaptação: Wagner Love